Olá Dr. Felipe!

Meu nome é Gislaine, tenho 36 anos e sou do RS. Estava navegando na internet a procura de um bom tratamento para o meu caso e achei o seu site.

Então pensei que talvez você possa me ajudar , indicando qual seria o tratamento  mais adequado para o meu caso,se for possível.Já realizei um ano de fisioterapia convencional e seis meses de RPG ,obtive um pouco de melhora mas não ainda sinto dores fortes .Fiz uma RM da coluna cervical onde foi diagnosticado:

Manifestações de discopatia degenerativa em C5-C6 E C6-C7;pequena barra disco- osteofitária póstero centro-lateral à direita em C6-C7,inclusive com uncartrose associada; discreta barra disco-osteofitária posterior de base larga em C5-C6,inclusive com uncartrose associada, determinando discreta impressão sobre a face anterior do saco dural e leve redução na amplitude dos neuroforames e imagem compatível com divertículo de aracnóide junto ao forame neural esquerdo em C6-C7.

O meu ortopedista quer retirar as hérnias através de uma artrodese e dois meses após talvez retirar o cisto .Já o neurocirurgião quer fazer um tratamento com medicação por seis meses e após talvez fazer a cirurgia para retirar somente o cisto ,pois ele acha que não é necessário retirar as hérnias,pois as dores que me incomodam são do lado esquerdo.  Sinto muita dor no braço esquerdo cujo os sintomas são de compressão na raiz C7.O fisioterapeuta com quem eu me trato disse que não pode fazer nada por mim porque tenho uma compressão neural. Qual o outro tratamento que o senhor me indica na fisioterapia ?

Agradeço desde já pela atenção!

Caso Clínico

67 ideias sobre “Caso Clínico

  • 3 de abril de 2014 em 22:30
    Permalink

    Dr. Felipe,
    Estou sentindo dores no pescoço, nos ombros, nas costas, no braço direito e na perna direita. Fiz uma RM da coluna cervical e o resultado foi:
    – Corpos vertebrais de altura e alinhamento normais com incipiente osteofitose marginal anterior em C5 e C6.
    – Leve desidratação dos discos intervertebrais cervicais
    – Protrusão discal posterior de base larga em C5-C6, comprimindo o saco dural.
    – Uncoartrose bilateral de C5-C6, estreitando os forames neurais e tocando as raízes neurais de C6 no trajeto emergente.

    Também fiz uma RM da coluna lombar, mas ainda não saiu o resultado.

    O que você recomenda para o meu caso?

  • 24 de julho de 2014 em 16:56
    Permalink

    Tenho 67 anos. Tenho dito muitas dores na nuca, braço esquerdo e mãos. Antes de ir ao ortopedista a médica clinica indicou um RX e ultrassom das mãos. Ela acha que é tendinite. Trabalho o dia todo no computador.
    O ultrassom ainda não fiz. O RX diz: corpos vertebrais de alinhamento e altura conservadas, apresentando osteófitos marginais incipientes; redução dos espaços intervertebras C5C6 e C6C7; AUSÊNCIA DE COSTELA CERVICAL. Ainda vai demorar para eu ir ao ortopedista. Poderiam me adiantar algo? Obrigada

  • 30 de julho de 2014 em 21:18
    Permalink

    ME CHAMO LEIDA CRUZ, TENHO 54 ANOS, BELÉM-PA

    GOSTARIA QUE ME FOSSE ESCLARECIDO O RESULTADO DE UMA ÚLTIMA RESSONÂNCIA QUE FIZ EM 06/2013:
    CONCLUSÃO: COLUNA CERVICAL
    OSTEOFITOS E ALTERAÇÕES DEGENERATIVAS NAS MARGENS NOS CORPOS VERTEBRAIS CERVICAIS HAVENDO PROTUSÕES DISCO-OSTIOFITÁRIAS DE C4-C5 E C5-C6 COMPRIMINDO O SACO DURAL E RAÍZES NERVOSAS.

    CONCLUSÃO: COLUNA LOMBAR
    MÍNIMOS OSTEOFITOS E ALTERAÇÕES DE SINAL NO PLATÔ VERTEBRAL INFERIOR DE L4 E SUPERIOR DE L5 DO TIPO II DE MODIC.
    DISCRETO OSTEROFITO MARGINAL ANTERIOR DO CORPO VERTEBRAL DE L3 NA BORDA INFERIOR.

    EM 2011:
    CONCLUSÃO NA CERVICAL FOI A SEGUINTE:
    ARTROPATIA INTERAPOFISÁRIA CERVICAL DISCRETA. MÍNIMOS OSTEOFITOS MARGINAIS NOS CORPOS VERTEBAIS DE C3 E C7 HAVENDO PROTUSÕES DISCO-OSTEOFITÁRIOS PÓSTERO-CENTRAISEM C4-C5, C5-C6 E C6-C7 COM LEVE CONTATO CONTRA O SACO DURAL.

    COLUNA TORÁCICA:
    MÍNIMOS OSTEOFITOS NOS CORPOS VERTEBRAIS DORSAIS.
    DESIDRATAÇÃO E REDUÇÃO DA ALTURA DOS DISCOS INTERVERTEBRAIS DORSAIS SEM ABAULAMENTO OU PROTUSÕES SIGNIFICATIVAS.

    COLUNA LOMBAR:
    DESIDRATAÇÃO PARCIAL DOS DISCOS INTERVERTEBAIS LOMBARES OU PROTUSÕES RELEVANTES.
    MÍNIMOS OSTEOFITOS NOS CORPOS VERTEBRAIS.

    ATUALMENTE SINTO FORTES DORES NA COLUNA CERVICAL E LOMBAR. JÁ PASSEI POR EPISÓDIOS DE FICAR “TRAVADA” 3 VEZES. SE ESTOU DEITADA OU SENTADA, HÁ UMA IMENSA DIFICULDADE PARA LEVANTAR E TROCAR OS PASSOS DEVIDO FORTES DORES NO QUADRIL (NOS QUADRIS). É NECESSÁRIO QUE ALGUÉM ME SEGURE OU EU MESMA ME SEGURE EM ALGUMA COISA, OU ENTÃO, É CHÃO MESMO.

    O QUE DEVO FAZER, JÁ QUE UM DOS MÉDICOS QUE PROCUREI, ME DISSE QUE EU NÃO TENHO NADA NA COLUNA, QUE É APENAS UMA BESTEIRINHA!!!

    GOSTARIA QUE ME FOSSE REALMENTE ESCLARECIDO A MINHA SITUAÇÃO.

    DESDE JÁ, MUITO OBRIGADA

  • 30 de julho de 2014 em 21:23
    Permalink

    LEIDA CRUZ :
    ME CHAMO LEIDA CRUZ, TENHO 54 ANOS, BELÉM-PA
    GOSTARIA QUE ME FOSSE ESCLARECIDO O RESULTADO DE UMA ÚLTIMA RESSONÂNCIA QUE FIZ EM 06/2013:
    CONCLUSÃO: COLUNA CERVICAL
    OSTEOFITOS E ALTERAÇÕES DEGENERATIVAS NAS MARGENS NOS CORPOS VERTEBRAIS CERVICAIS HAVENDO PROTUSÕES DISCO-OSTIOFITÁRIAS DE C4-C5 E C5-C6 COMPRIMINDO O SACO DURAL E RAÍZES NERVOSAS.
    CONCLUSÃO: COLUNA LOMBAR
    MÍNIMOS OSTEOFITOS E ALTERAÇÕES DE SINAL NO PLATÔ VERTEBRAL INFERIOR DE L4 E SUPERIOR DE L5 DO TIPO II DE MODIC.
    DISCRETO OSTEROFITO MARGINAL ANTERIOR DO CORPO VERTEBRAL DE L3 NA BORDA INFERIOR.
    EM 2011:
    CONCLUSÃO NA CERVICAL FOI A SEGUINTE:
    ARTROPATIA INTERAPOFISÁRIA CERVICAL DISCRETA. MÍNIMOS OSTEOFITOS MARGINAIS NOS CORPOS VERTEBAIS DE C3 E C7 HAVENDO PROTUSÕES DISCO-OSTEOFITÁRIOS PÓSTERO-CENTRAISEM C4-C5, C5-C6 E C6-C7 COM LEVE CONTATO CONTRA O SACO DURAL.
    COLUNA TORÁCICA:
    MÍNIMOS OSTEOFITOS NOS CORPOS VERTEBRAIS DORSAIS.
    DESIDRATAÇÃO E REDUÇÃO DA ALTURA DOS DISCOS INTERVERTEBRAIS DORSAIS SEM ABAULAMENTO OU PROTUSÕES SIGNIFICATIVAS.
    COLUNA LOMBAR:
    DESIDRATAÇÃO PARCIAL DOS DISCOS INTERVERTEBAIS LOMBARES OU PROTUSÕES RELEVANTES.
    MÍNIMOS OSTEOFITOS NOS CORPOS VERTEBRAIS.
    ATUALMENTE SINTO FORTES DORES NA COLUNA CERVICAL E LOMBAR. JÁ PASSEI POR EPISÓDIOS DE FICAR “TRAVADA” 3 VEZES. SE ESTOU DEITADA OU SENTADA, HÁ UMA IMENSA DIFICULDADE PARA LEVANTAR E TROCAR OS PASSOS DEVIDO FORTES DORES NO QUADRIL (NOS QUADRIS). É NECESSÁRIO QUE ALGUÉM ME SEGURE OU EU MESMA ME SEGURE EM ALGUMA COISA, OU ENTÃO, É CHÃO MESMO.
    O QUE DEVO FAZER, JÁ QUE UM DOS MÉDICOS QUE PROCUREI, ME DISSE QUE EU NÃO TENHO NADA NA COLUNA, QUE É APENAS UMA BESTEIRINHA!!!
    GOSTARIA QUE ME FOSSE REALMENTE ESCLARECIDO A MINHA SITUAÇÃO.
    DESDE JÁ, MUITO OBRIGADA

  • 25 de agosto de 2014 em 20:51
    Permalink

    Tenho 61 ano, meu nome Aparecida gonçalves, sou do Rio de Janeiro. Me submeti à uma RM Torácica, em 11/08/2014, cujo laudo diz: Corpos vertebrais alinhados e de altura preservada com osteofitos. Depósito focal de gordura ou hamangioma no corpo vertebral D5, sem realce expressivo pelo contraste, de aspecto incaracterísitico. Pediculos integros. Desidratação degenerativa dos discos intervertebrais estudados. Protusão Discal posterior em D7-D8, paramediana esquerda em D8-D9, comprimindo a face ventral do saco dural. Articulações interapofisárias de aspecto preservado. canal raquiano de amplitude normal. Medula de calibre, morfologia e características de sinal normais.
    Quanto ao Laudo da Coluna Cervical, realizada também em 11/08/2014: Transição crânio-cervical sem alterações. Artrose atlanto-axial. Leve inversão da lordose cervical fisiológica. Corpos vertebrais alinhados e de altura preservada com osteofitos. Desidratação degenerativa dos discos intervertebrais estudados. Protusão disco osteofitária posterior em C4-C5,C5-C6 e C6-C7, comprimindo a face ventral do saco dural e contactando a medula inferiormente nos dois primeiros níveis. Uncoartrose em C5-C6 reduzindo a amplitude dos forames neurais. Articulações interapofisárias de aspecto preservado. Canal raquiano der amplitude normal.Cone medular tópico e com características de sinal normais. Enfim, hoje levei o resultado para a minha Reumatologista, que é quem me trata. Mas, há quase 6 meses, escorreguei no Box do Banheiro, e começaram a surgir muitas dores. Ela prescreveu medicamentos e as RM: Torácica e Cervical. Após ela verificar os Exames me encaminhou pra um Neurocirurgião. Fico pensando será que com estes resultados, será necessário uma intervenção cirúrgica? Aguardo sua resposta e antecipadamente agradeço. Boa Noite!

  • 25 de agosto de 2014 em 20:53
    Permalink

    Tenho 61 ano, meu nome Aparecida gonçalves, sou do Rio de Janeiro. Me submeti à uma RM Torácica, em 11/08/2014, cujo laudo diz: Corpos vertebrais alinhados e de altura preservada com osteofitos. Depósito focal de gordura ou hamangioma no corpo vertebral D5, sem realce expressivo pelo contraste, de aspecto incaracterísitico. Pediculos integros. Desidratação degenerativa dos discos intervertebrais estudados. Protusão Discal posterior em D7-D8, paramediana esquerda em D8-D9, comprimindo a face ventral do saco dural. Articulações interapofisárias de aspecto preservado. canal raquiano de amplitude normal. Medula de calibre, morfologia e características de sinal normais.
    Quanto ao Laudo da Coluna Cervical, realizada também em 11/08/2014: Transição crânio-cervical sem alterações. Artrose atlanto-axial. Leve inversão da lordose cervical fisiológica. Corpos vertebrais alinhados e de altura preservada com osteofitos. Desidratação degenerativa dos discos intervertebrais estudados. Protusão disco osteofitária posterior em C4-C5,C5-C6 e C6-C7, comprimindo a face ventral do saco dural e contactando a medula inferiormente nos dois primeiros níveis. Uncoartrose em C5-C6 reduzindo a amplitude dos forames neurais. Articulações interapofisárias de aspecto preservado. Canal raquiano der amplitude normal.Cone medular tópico e com características de sinal normais. Enfim, hoje levei o resultado para a minha Reumatologista, que é quem me trata. Mas, há quase 6 meses, escorreguei no Box do Banheiro, e começaram a surgir muitas dores. Ela prescreveu medicamentos e as RM: Torácica e Cervical. Após ela verificar os Exames me encaminhou pra um Neurocirurgião. Fico pensando será que com estes resultados, será necessário uma intervenção cirúrgica? Aguardo sua resposta e antecipadamente agradeço. Boa Noite!

    @aparrecida gonçalves

  • 28 de agosto de 2014 em 11:42
    Permalink

    Bom dia!
    Estou há um ano fazendo fisio para tendinopatia do supraespinhal, infrespinhal e do subscapular com ruptura tipo delaminação na superfície bursal do supra. Além de tendinose do cabo longo do biceps, hipertrofia capsulo-ligamentar da articulação acrômio-clavicular com edema. sinais de bursite, sinovite e capsulite . Nada que eu fiz até agora deu resultado: fisio, repouso, gelo, quente, acupuntura, antinflamatórios. Só houve agravamento do problema, o que me leva a crer que este problema possa ser provocado por outra alteração que tenho: também tenho uma esclerose articulações interapofisárias c3 c4 c5 e redução dos espaços discais C5 e C6. Há alguma relação entre a cervical e este problema no meu ombro? Será que a esclerose e a redução dos espaços podem estar provocando de alguma forma estas lesões no meu ombro? Já fui em dois médicos de ombro e um de coluna. Este último mandou eu tratar primeiro o ombro e depois fazer pilates, só. Qual a opinião de vocês? Muito obrigada.

  • 22 de novembro de 2014 em 17:52
    Permalink

    Olá Dr. Felipe!
    Devido á muitas dores nas costas, procurei um ortopedista e ele me solicitou um RX da coluna cervical e o resultado foi:Pequeno redução do espaço intervertebral de C5/C6 associado a esclerose subcondral e incipientes osteofitos anteriores. Diagnóstico: Espondilodiscoartrose.
    O médico disse que minha coluna está ótima, que é somente uma distenção nos ligamentos e me receitou fisioterapia.
    Esse resultado realmente não deu nada? me ajude..

  • 22 de novembro de 2014 em 18:09
    Permalink

    Dr. Felipe
    Devido á muitas dores nas costas, procurei um ortopedista e ele me solicitou um RX da coluna cervical e o resultado foi:Pequeno redução do espaço intervertebral de C5/C6 associado a esclerose subcondral e incipientes osteofitos anteriores. Diagnóstico: Espondilodiscoartrose.
    O médico disse que minha coluna está ótima, que é somente uma distenção nos ligamentos e me receitou fisioterapia.
    Esse resultado realmente não deu nada? me ajude..

  • 5 de janeiro de 2015 em 13:55
    Permalink

    Ola Boa Tarde!!
    Meu nome é luziane tenho 36 anos e a seis meses aproximadamente venho sentindo fortes dores que vem do pescoço e irradia para ombro esquerdo e direito e braço esquerdo, fiz 20 sessões de fisioterapia com choquinhos e 15 sessões RPG tomei varios medicamentos vitaminas, analgesicos, anteflamatorio etc não obtive nenhum resultado então fiz exame RM e o resultado foi:
    Leve protrusão discal posterior difusa em c4-c5 tocando suavemente o saco tecal e determinando discreta estenose foraminal direita.
    Ucoartrose determinando leve entorse foraminal direita em c5-c6.
    Desta forma, não encontrando nenhum exito com o tratamento acima citado ate a presente data pois continuo sentindo fortes dores no local também especificado acima, resolvi procurar maiores esclarecimento através da internet, onde encontrei felizmente este importante site de vossa senhoria, o qual resolvi recorrer para vossa importante avaliação.
    sem mais desde já agradeço e aguardo ansiosa por um breve pronunciamento a respeito.

  • 5 de janeiro de 2015 em 13:56
    Permalink

    Ola Boa Tarde!!
    Meu nome é luziane tenho 36 anos e a seis meses aproximadamente venho sentindo fortes dores que vem do pescoço e irradia para ombro esquerdo e direito e braço esquerdo, fiz 20 sessões de fisioterapia com choquinhos e 15 sessões RPG tomei varios medicamentos vitaminas, analgesicos, anteflamatorio etc não obtive nenhum resultado então fiz exame RM e o resultado foi:
    Leve protrusão discal posterior difusa em c4-c5 tocando suavemente o saco tecal e determinando discreta estenose foraminal direita.
    Ucoartrose determinando leve entorse foraminal direita em c5-c6.
    Desta forma, não encontrando nenhum exito com o tratamento acima citado ate a presente data pois continuo sentindo fortes dores no local também especificado acima, resolvi procurar maiores esclarecimento através da internet, onde encontrei felizmente este importante site de vossa senhoria, o qual resolvi recorrer para vossa importante avaliação.
    sem mais desde já agradeço e aguardo ansiosa por um breve pronunciamento a respeito.

  • 29 de janeiro de 2015 em 16:04
    Permalink

    oi por favor me ajude fiz uma cirurgia de hernia de disco na coluna na L5 pois comprometeu meu nervo e estou com a perna do joelho pra baixo dormente, faz uns 6 meses que fiz a cirurgia e o doutor me pediu uma tomografia eu fiz agora tenho que mostrar pra ele mas ainda vai demorar pra ir nele porque é pelo SUS, então gostaria que me respondesse o que pode ser no exame deu isto:
    Anterolistese grau 1 de L5 sobre S1.
    l4-l5 Abaulamento discal fifuso, que retifica a face ventral do saco tecal.
    L5-S1 Protusao discal posterior de base larga, exibindo maior componente em situação central, comprimindo a amplitude dos forames de conjugação bilaterais.
    POR FAVOR ME RESPONDA OBRIGADA.

  • 23 de março de 2015 em 22:16
    Permalink

    Grande Dr. Felipe!!!
    Achei muito interessante esses esclarecimentos. Eu tenho 62 anos e até hoje pratico esportes (Futebol de salão)e no dia 03 desse mês adormeci bem e no dia 4 comecei primeiramente com dor nas costas (escápula direita) e já à noite com dores no braço e ante-braço direito e sem ter uma posição que fosse para poder dormir que o braço não doesse. Tomei todas as marcas de remédios anti-inflamatório e analgésico e foi como se tivesse somente água, nada adiantou. Apelei para massagens e também nada adiantou. Fiz uma RM e eis o diagnóstico – IMPRESSÃO: Barra disco-osteofitária posterior esquerda em C3-C4
    Barra disco-osteoofitária posterior direita em C6-C7
    Sinais de discopatia degenerativa na coluna cervical
    Manifestações de uncartrose de C5 até C7 à direita.
    Com esse diagnóstico o Senhor poderia me orientar qual o caminho a tomar? Ou qual o tratamento?

  • 14 de abril de 2015 em 19:39
    Permalink

    Olá, Doutor,

    Adorei ler o caso da Gislane, eu soube hoje que estou com discopatia C5-6 e leve escoliose, e quero curar, pois o “idiota” do médico (desculpe! mas pôxa, eles às vezes são o correio da má notícia mesmo…!!!) disse que isso não tem cura e me indicou os “choquinhos” + o RPG… creio muito em terapias alternativas”, pois são altamente inteligentes e sérias. gostaria de saber uma indicação de tratamento aqui no Rio de Janeiro capital, do plano da UNIMED principalmente no momento e fora do mesmo também. Obrigada, Deus eteja com todos, Carol

  • 28 de julho de 2015 em 17:10
    Permalink

    Prezado Dr.

    Estou em Belo Horizonte e apresento um quadro clinico muito parecido com a da Gislaine – paciente acima, porém com a dor irradiada para o braço direito e cervical. Estou com muita dor e comprometimento dos movimentos e outras sensações de dormencia, enjooos etc. Tive uma acidente muito serio de veiculo com batida de frente em um veículo que invadiu a contra-mão em uma rodovia. Acredito que o efeito chicote do pescoço, aliado ao grande impacto do braço direito no volante, tenha desencadeado as dores e os tratamentos com remédios e fisioterapicos não tem gerado efeito positivo.
    Gostaria da sua opinião, se um acidente desse tipo pode desencadear e quais as consequencias futuras. Gostaria tambem de uma indicaçao em BH de osteopata para avaliar o meu caso. Já devo ter passado por 10 ortopedistas em suas várias especialidades.
    Grata

  • 19 de agosto de 2015 em 21:25
    Permalink

    Boa noite!

    Solicito sua opinião a respeito da RM. Atualmente, após alguns movimentos e alguma caminhada mais rápida, tenho a sensação de ‘corda de violão vibrando’ mais comum no antebraço e dedos indicador e médio e algumas vezes em toda a mão direita, algum sensação mínima de dor próximo ao cotovelo e dorso da mão. Gostaria de saber também a sua opinião sobre os riscos da atividade profissional de 7 horas digitando e utilizando o mouse.

    Att.,
    Kátia

    Técnica de exame: RM da coluna cervical(altíssimo campo magnético 3.0 tesla), nos planos axial, sagital e coronal, nas sequências ponderadas em T1, T2 e gradiente, sem o uso do gadolínio.

    Informação clínica: suspeita de estenose cervical.

    Interpretação: Inversão da lordose cervical fisiológica em decúbito, que se associa a escoliose destro convexa.
    Discopatia degenerativa cervical, principalmente em C5-C6, C6-C7, que se caracteriza por redução na altura e na intensidade de sinal dos discos intervertebrais, proeminentes osteófitos marginais somáticos e alterações de Modic tipo II nos planaltos vertebrais de C5-C6.
    Em C5-C6, observam-se barras discos-osteofitárias posteriores e pósteros laterais, associadas a uncoartrose, que deformam o saco dural, reduzem levemente o diâmetro ântero posterior do canal vertebral e obliteram parcialmente os respectivos forames neurais.
    Em C6-C7, também se verificam barras discos-osteofitárias posteriores e póstero laterais, associadas a uncoartrose, principalmente à direita, que deformam o saco dural e obliteram sub totalmente o forame neural direito.
    Demais segmentos do canal vertebral e demais forames neurais com dimensões normais.
    Não há sinal de mielopatia.
    Articulações interapofisárias sem alteração.
    Transição crânio cervical preservada.
    Partes moles perivertebrais sem evidência de lesão.
    OBS.: Em T2-T3, há protusão disco-osteofitária foraminal direita, que reduz parcialmente a amplitude do respectivo forame neural.

  • 30 de abril de 2016 em 16:00
    Permalink

    Olá,

    Os exames são complementares e não definitivos, há uma necessidade de consultar um profissional qualificado para isso, infelizmente não tem como traçarmos diagnóstico e prognóstico à distância. O que posso adiantar é que muitas vezes os exames são relativos e não coincidem com a queixa do paciente. Por exemplo, o paciente pode chegar com uma ressonância indicando uma hérnia de disco extrusa, porém, os sinais CLÍNICOS me indicam que os sintomas são musculares, ligamentares, viscerais ou articulares, e neste caso, os sintomas não seriam do disco. Embora o exame tenha constatado a lesão, naquele momento, não há qualquer manifestação de dor que me indique uma origem discal!

    A conclusão que tiramos disso é que devemos nos atentar para as características dos sintomas que são colhidos durante a avaliação subjetiva e física do paciente, os exames por imagem vão COMPLEMENTAR um possível diagnóstico clínico. Não há como responder baseado somente em laudos de exame por imagens.

    Abraços,

    Dr. Felipe Feichas

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: